Facebook
Twitter
Facebook
Logomarca
Publicidade
Notícias
As sequelas da bebida alcoólica
WebRádio

Se você vira o copo só de vez em quando, que mal há? Eis uma notícia de causar ressaca: para a sua saúde, a quantidade é mais prejudicial que a frequência.

Beber pouco, mas com mais frequência é menos prejudicial que encher a cara de vez em quando.

 "Depois da euforia e da desinibição inicial, a capacidade de tomar decisões sensatas desaba. Quem é impulsivo, por exemplo, fica ainda mais", alerta a psicóloga Neliana Buzi Figlie, diretora da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas da Universidade Federal de São Paulo. Claro, você não precisa abandonar de vez a cervejinha de que tanto gosta. 

Desde que fique esperta sobre a diferença entre consumo moderado e abusivo, a fim de não acabar no prejuízo. E não é tarefa fácil, pois o efeito de cada bebida varia de amiga para amiga, pois depende de peso, altura, genética e processos químicos, entre outros fatores.

Mas uma coisa é certa: nós, mulheres, somos mais vulneráveis aos danos causados pela bebida que os homens. E mais: nosso corpo tem mais gordura, que retém o etanol, e menos água, o que reduz sua diluição. Ou seja, se você bebe tanto quanto os amigos do sexo oposto, pode se dar mal.

Abuso sorrateiro

Um dos culpados por fazer a gente passar do ponto na balada é a crença de que apenas quem sofre de dependência alcoólica corre perigo. Mas a verdade é: quanto mais bebemos, mais tolerante nosso organismo se torna à bebida, fazendo com que a gente avance sem perceber.

"O consumo excessivo é uma porta de entrada para o alcoolismo", ressalta Patrícia Hochgraf, psiquiatra e coordenadora do Programa de Atenção à Mulher Dependente Química do Hospital das Clínicas de São Paulo. Se as informações quanto aos efeitos nocivos imediatos e em longo prazo estão aí, para todo mundo ver, por que viramos um cálice atrás do outro de livre e espontânea vontade? Segundo a psicóloga Jussara Almeida, do Rio de Janeiro, é um dos custos da emancipação feminina.

"Como não dependemos mais do dinheiro do marido, nos sentimos à vontade para gastar com o que bem entendermos. Essa liberdade, muitas vezes, nos leva a agir de modo similar ao dos homens a fim de afirmar a igualdade", diz. "Ademais, hoje é socialmente aceitável que uma mulher beba, o que não ocorria no passado", acrescenta.

Pistas antirressaca

Usar o bom senso, então, é fundamental. Quando ele falha, o corpo se encarrega de avisar. Vomitar nada mais é do que uma defesa natural do organismo para expulsar o álcool em excesso. E, quando seu corpo não consegue mais metabolizar o etanol, simplesmente “desliga” algumas atividades, como a retenção de memória.

"A amnésia alcoólica é uma constatação de que houve abuso", diz a psicóloga Neliana Buzi. E, vale lembrar: a mulher que bebe além do próprio limite corre mais risco de ser estuprada, fazer sexo desprotegido, sofrer prejuízos financeiros ou acidente de carro.

E não adianta tomar só um tipo de bebida. O senso comum de que misturar fermentados com destilados é que potencializa o efeito ruim não passa de mito. Segundo Neliana, o que interessa é a quantidade de álcool ingerida.

"Existe essa falsa percepção porque o teor alcoólico da bebida fermentada, como vinho ou cerveja, é menor do que o de uma destilada, tipo uísque", diz. Dos 38,40% da população que admitiram já ter dirigido alcoolizada, 43% o fizeram em baladas e festas antes de pegar na direção, segundo o Levantamento Nacional sobre os Padrões de Consumo de Álcool na População Brasileira, realizado pela Secretaria Nacional Antidrogas e pela Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas, de São Paulo.

Não existem estatísticas recentes que relacionem o uso do álcool com mortes no trânsito no Brasil, mas uma pesquisa feita pelo Instituto Médico Legal de São Paulo, em 1999, apontou que cerca de 50% dos casos de morte em acidentes de carro estão relacionados à ingestão de bebidas alcoólicas. Então, é bom pensar nisso antes de pedir mais daquela margarita inocente na balada, concorda?

Hora de parar

Nem sempre é fácil perceber quando a gente anda passando do ponto. A psicóloga carioca Ana Cristina Souza, especializada em dependência química, lista aqui os indicadores mais comuns:

Você acordou com dor de cabeça, enjôo, boca seca e náusea? Cuidado! Essas reações são mensagens que seu corpo envia para avisar que precisa pegar leve na balada seguinte.

Depois da festa, vem o remorso. Ok, arrepender-se de ter dormido com um cara acontece com várias mulheres, mas, se isso acontece sempre depois de uma bebedeira, é provável que o álcool esteja diminuindo sua capacidade de julgamento.

Seus amigos e familiares dizem que você bebe demais e, não raramente, seu chefe reclama das faltas ao trabalho por causa da ressaca.

Se a balada perde completamente a graça sem algumas taças de prosecco, alerta vermelho. Somente sentir-se bem sob o efeito do álcool é um indício de dependência. Melhor procurar ajuda.

Álcool x Espelho

PELE RESSECADA

Como o álcool desidrata o organismo, você pode ganhar rugas precoces. E, como as veias se dilatam, causam vermelhidão nas áreas onde a pele é mais fina - como bochechas, nariz e olhos - e podem, inclusive, se tornar permanentes.

AUMENTO DE PESO

Uma latinha de cerveja tem 147 calorias; uma caipirinha, 360. Sentiu o drama? Para piorar, a ingestão de álcool costuma aumentar ainda mais a sensação de fome no período pós-consumo.

CABELO EM PERIGO

Além de unhas e dentes. O álcool interfere na absorção de nutrientes, mesmo que você tenha uma alimentação saudável.

CARA DE DOENTE

Hipertensão e problemas cardíacos, além de gastrite, síndrome da má absorção, pancreatite, infertilidade, câncer e danos cerebrais, entre outras, são os males mais comuns.

Fonte: M de Mulher

Top 10
01
Work (Explicit) ft. Drake
Rihanna
02
Ocean Drive
Duke Dumont
03
Pedra Murano
NX Zero
04
Work from Home
Fifth Harmony
05
Tarde Livre
Selvagens à Procura de Lei
06
Hotline Bling
Drake
07
Fast Car
Jonas Blue
08
Dangerous Woman
Ariana Grande
09
No Way No
Magic!
10
Wake me Up
Avicii
publicidade
Bt
Vídeo em Destaque
''SEU CUPOM FISCAL VALE MUITO PARA NÓS''
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Facebook
Facebook
Youtube
Email: webradiohits@hotmail.com Tel:(42) 3646-27 76 ou (42) 9958-2776
Radio Online Hits 2013 ©Todos os direitos reservados - Desenvolvimento: ELLOS DESIGN